quinta-feira, 10 de março de 2016

Faturamento de empreiteiras da Lava Jato triplica na era petista

Carlos Madeiro
Colaboração para o UOL, em Maceió
  • Reinaldo Canato/UOL
A soma do faturamento das empreiteiras envolvidas no esquema investigado pela operação Lava Jato triplicou entre 2004 e 2013, segundo dados da Câmara Brasileira da Construção Civil (CBIC) --que têm como fonte a revista "O Empreiteiro".
Em valores atualizados pelo IPCA, o faturamento das empresas saltou de R$ 15 bilhões, em 2004, para R$ 44,4 bilhões, em 2013. O valor se refere às receitas das empresas Norberto Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia, Mendes Júnior e Constran (Integrante do grupo UTC). A Engevix --a nona envolvida na Lava Jato-- não está incluída no ranking e não teve faturamento computado.
Em 2013, seis das oito construtoras ocupavam as seis primeiras colocações de empreiteiras em faturamento (estavam fora apenas Mendes Júnior e Constran).
Com os bons faturamentos ao longo desses 10 anos, as empresas também viram seus patrimônios líquidos crescerem, saltando de R$ 17 bilhões para R$ 22 bilhões (em valores atualizados) entre 2004 e 2013, um aumento de cerca de 30%.
A Norberto Odebrecht é a empresa com maior patrimônio estimado, de R$ 8 bilhões em 2013. A construtora também foi mais faturou em todos esses 10 anos, com R$ 83 bilhões em receitas. O patrimônio da empresa foi a que teve maior crescimento etriplicou desde o início do governo federal petista.

Importância do poder público

Grande parte dos valores recebidos pelas empresas veio de contratos com governos, especialmente a Petrobras --que teve no governo petista uma política de investimento para autossuficiência em petróleo e a exploração do pré-sal. Em 2003, a estatal investia US$ 7,4 bilhões por ano. Em 2013, esse valor chegou a US$ 50 bilhões.
Além disso, as empresas foram responsáveis por obras importantes do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e da Copa do Mundo.
Nos balanços das empreiteiras, é possível identificar que quatro das oito tiveram maior faturamento com contratos públicos das mais diversas origens. A Mendes Júnior por exemplo, teve 75% de suas receitas advindas de pagamentos públicos. No caso da Galvão Engenharia, esse percentual foi de 69%; da Andrade Gutierrez, 61%; e da Queiroz Galvão, 53%.
Nas outras empresas, a participação pública foi menor, mas ainda assim  como grande fatia de contratos com governos. São elas: Constran (45%), Odebrecht (40%), Camargo Corrêa (38%) e OAS (37%).

Financiamento de campanhas

Com muito dinheiro em caixa, as empreiteiras passaram a ser as maiores financiadoras privadas de campanhas. Somente na campanha de 2014, asempreiteiras doaram pelo menos R$ 207 milhões a candidatos de todos os cargos. 
Para o juiz e um dos autores da Lei da Ficha Limpa, Márlon Reis, a força adquirida pelo lobby das grandes empreiteiras viciou o sistema de licitações. "A grande maioria dos empresários não acredita na possibilidade de participar das grandes licitações em condição de igualdade com as financiadoras de campanha. Isso reduz a confiança nas instituições, inibe a livre concorrência e reduz o ritmo do desenvolvimento", analisou.
 
Ampliar

Operação Lava Jato da PF248 fotos

248 / 248
23.fev.2016 - O publicitário João Santana, que encabeçou campanhas presidenciais do PT, e sua mulher Mônica Moura chegaram a São Paulo nesta terça-feira às 9h21 e foram presos pela Polícia Federal Leia mais Zanone Fraissat/Folhapress

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Postagens mais visitadas