domingo, 24 de abril de 2016

Analistas divergem sobre posição dos EUA em relação a impeachment

     
(Alessandra Corrêa - BBC Brasil)  A posição oficial do governo americano é de neutralidade. Mas analistas ouvidos pela BBC Brasil divergem em suas avaliações sobre a reação de Washington à crise brasileira. O economista Mark Weisbrot, codiretor do Center for Economic and Policy Research, centro de estudos econômicos de tendência de esquerda, vê sinais de apoio à oposição.
Ele cita o encontro entre o ex-embaixador americano no Brasil e atual subsecretário de Assuntos Políticos do Departamento de Estado, Thomas Shannon, e o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, que visitou Washington no início da semana.
"Esse encontro é um forte sinal de que eles (o governo americano) apoiam a oposição e o impeachment”, disse Weisbrot à BBC Brasil. O porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby, salientou que o encontro já estava agendado há meses e não tem relação com a votação do impeachment no último domingo na Câmara dos Deputados.
Em entrevista à BBC Brasil no início da semana, Nunes também ressaltou que a visita já estava programada, mas revelou que o vice-presidente Michel Temer (PMDB) lhe telefonou na véspera da viagem pedindo ajuda para rebater a tese de que haveria "um golpe" em curso no Brasil.
Weisbrot destaca que Shannon é a autoridade mais influente no Departamento de Estado em relação a assuntos latino-americanos e diz que o fato de a reunião ter sido marcada antes da votação do impeachment "não significa nada".
"Não há qualquer protocolo que diga que Shannon teria de se encontrar com ele (Nunes) neste momento em particular. Ele poderia ter dado qualquer desculpa, é o número três no Departamento de Estado, é um cara ocupado", observa.  (Leia mais;http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/04/160423_brasilianistas_impeachment_eua_ac_if

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Postagens mais visitadas